Superando a Obesidade: Histórias incríveis sobre perda de peso


Perder peso é um processo que muitas vezes envolve muito mais do que querer ter um corpo esbelto. É um comprometimento com a saúde e a mudança de vida. Sei bem como é, em breve postarei fotos e contarei detalhes sobre minha luta por saúde, contra a balança, cansaço, má alimentação... Mas enquanto não atualizo vocês, nem posto minha dieta, vou mostrar alguns ótimos exemplos de superação, pois nós sabemos que mudar uma forma de viver para conquistar objetivos não é fácil!



 David Smith


 David Smith, americano de 31 anos foi um exemplo disso. Pesando mais de 286 kg, jamais conseguiu conquistar uma namorada e recebeu dos médicos uma sentença de quatro meses de vida devido à compressão que seu peso exercia sobre os órgãos internos.

Ao invés de se submeter a uma cirurgia de redução de estômago – intervenção cara e que obriga o paciente a usar medicamentos por toda a sua vida, sem que haja garantias de eficiência – David decidiu reservar um tempo para cuidar de si. Em dois anos, conseguiu perder 178 kg, além de passar por quatro intervenções cirúrgicas de retirada do excesso de pele (13 kg no total) e por intervenções odontológicas.

David decidiu optar por uma reeducação alimentar e por exercícios diários e constantes, que duraram 26 meses exaustivos. Trocou o fast food e os alimentos industrializados por saladas e alimentos saudáveis, coisa que não imaginava fazer até então.

 David Smith

Os primeiros meses foram, segundo ele, os mais difíceis. Teve ajuda, no entanto, do treinador Chris Powell, mundialmente conhecido por seu tratamento com pessoas superobesas. Mas é importante lembrar que a decisão de mudança partiu de David – uma decisão tão acertada que tempos depois, se tornou personal trainer e encontrou uma namorada.

Com a superexposição na mídia e a repercussão por ter perdido tanto peso, David não conseguiu lidar bem com isso e acabou ganhando muitos quilos novamente, se envolvendo com álcool e excesso de comida. Recaídas deste tipo são comuns entre pessoas que perdem muito peso de uma só vez. 

Contudo, David passou a receber orientação psicológica e voltou ao processo de reeducação alimentar e exercícios, perdendo novamente parte dos quilos que havia ganhado. Hoje, David entende que manter a forma é uma decisão que deve ser levada em conta por toda a sua vida.

Brian Flemming



Já o americano Brian Flemming, perdeu 165 kg com muita força e dedicação. A ajuda veio de milhares de quilômetros de distância – de uma inglesa que conheceu em um site de jogos e que foi a sua maior incentivadora. Aos 30 anos, Flemming era viciado em álcool e em comida de alto teor calórico. O peso o impedia de se locomover e Flemming fazia uso de muletas.

Abriu mão das mais de 7 mil calorias que consumia em restaurantes de fast food por uma reeducação alimentar com proteínas magras, alimentos integrais e saladas. Flemming saía todos os dias de madrugada para caminhar (e mais tarde, correr) pelas ruas de sua cidade, evitando assim que lhe fizesse piadas de mal gosto sobre a sua condição. Investiu em terapia e conseguiu dois empregos de meio período.


 Os exercícios passaram a ser diários. Em 2013, conheceu pessoalmente Jackie, a londrina que o incentivava pela internet. Contudo, Flemming, mesmo que tenha já uma ótima aparência, ainda possui 30 quilos de pele, que pretende remover em breve, quando conseguir o valor da cirurgia.


Perder peso é muito mais que emagrecer. Envolve mudanças físicas e psicológicas muito profundas. Diferente do que a maioria imagina, a cirurgia de redução de estômago não resolve o problema. Assim como qualquer cirurgia, há riscos de morte, além de um pós-operatório prolongado e uma adaptação difícil.


 Por toda a vida, a pessoa terá que consumir medicamentos e é preciso fazer uma reeducação alimentar e exercícios físicos constantes. Nos Estados Unidos, 60% dos operados ganham peso ou atingem o mesmo peso que tinham antes da cirurgia. As histórias acima são exemplos de que determinação e força de vontade ainda são a melhor solução no combate à obesidade e restituição da autoestima.


0 comentários